Recife: Os "vereadores eleitos" da Datacampos. Entre eles Aline Mariano(PMDB)

Na manhã do dia 14 de janeiro deste ano, dois assuntos eram repisados no Cemitério de Santo Amaro: as passagens da longa história política do decano da Câmara de Vereadores Liberato Costa Junior, falecido um dia antes, e como seria a primeira eleição, em 28 anos, sem o tradicional Dataliba, uma previsão feita pelo ex-vereador com “base científica” específica sobre quem tinha chance de ocupar uma vaga nos legislativos municipal do Recife, estadual e federal, segundo informações da Folha PE.
 
Todo ano de eleição, a expectativa não só dos candidatos, como de toda a classe política, era para saber os felizardos que constavam na lista do velho Liba. No entanto, apesar da saída de cena do político, o instituto informal de pesquisa deu fruto. Um dos principais consultores do ex-vereador na confecção da lista, o ex-deputado e hoje secretário estadual de Articulação Parlamentar, André Campos, decidiu dar continuidade e, após muitas consultas, finalizou a sua previsão, que já está sendo chamada de Datacampos.
 
Para chegar aos 72 nomes de 18 chapas, André Campos deu centenas de telefonemas, conversou com presidentes de partidos, vereadores, lideranças de vários segmentos e, claro, gastou algumas horas de conversa no Buraco Frio (local das casas legislativas em que só os parlamentares frequentam) da Assembleia Legislativa e da Câmara.
 
“Isso vai me dar uma dor de cabeça danada”, vaticinou André, com a lista na mão, antes da entrevista. “Vai ter gente que vai ficar com raiva de mim por não ter o nome da lista”, acrescentou. Para finalizar a sua relação, André aguardou a finalização das convenções e a divulgação das chapas. Dez partidos não se coligaram com nenhum outro, enquanto seis chapas terão apenas dois partidos.
 
Após pesar as variáveis, como composição de chapa, votações em disputas anteriores e volume de campanha, André avalia que dos 72 nomes da lista, 25 já têm vaga assegurada na próxima Legislatura.
 
Dentro do levantamento, o ex-deputado contabiliza que as duas maiores chapas também serão as que elegerão o maior número de vereadores. Pelos cálculos dele, a Frente Popular do Recife para Vereador, forma­da pelo PSB/PDT/PMDB/Re­de, ocupará entre 11 e 13 cadeiras. O problema dessa coligação é o excesso de medalhões na disputa. Só de vereadores cumprindo mandato, atualmente,  há 17. Os outros três com chance de vitória, ou foram vereadores ou estão pleiteando a cadeira já ocupada pelo pai.
 
A outra coligação que deverá fazer um número maior de vereadores é a Recife pela Democracia, que reúne PT/PRB/PTN/PTdoB/PTB. Na matemática de André Campos, nove candidatos brigarão por cinco ou seis vagas que a coligação deverá conquistar.
 
Das chapas que reúnem dois partidos, a que deverá ter melhor desempenho, segundo os cálculos de André, será a formada pelo PSDB e PSL, na qual quatro candidatos brigarão por duas ou três vagas na Casa de José Mariano. A composta pelo PRTB e Pros segue a mesma rota, podendo chegar a três cadeiras.
 
Das chapas puro-sangue, com apenas uma legenda, a com a probabilidade de maior êxito é a do PSD, que poderá sair das urnas com duas vagas, para as quais quatro candidatos estão na disputa, segundo a análise de André Campos.
 
Ele alerta que, como toda previsão, há possibilidade de surgir alguém que não conste da lista, mas que, possivelmente, os nomes dos 39 futuros ocupantes da Casa de José Mariano estarão nela.
 
“Esse levantamento foi fruto de muitas conversas. Nas últimas semanas, ouvi muita gente. Este ano a campanha está muito diferente, mais curta, com menos dinheiro, o que dificulta o surgimento de novidades. Portanto, a nova formatação da Câmara sairá desses nomes, sem muito espaço para surpresas”, finalizou André.